06out
ligado: 6 de outubro de 2016

Passar um tempo fora caçando boas oportunidades é a deixa para qualquer intercambista em início de viagem. Essa experiência pode ser multiplicada com a dupla jornada do programa Estudo e Trabalho, onde o aluno proverá o seu próprio curso através de um trabalho remunerado e culturalmente enriquecedor. Mas onde conseguir essa vaga de ouro?
Nova Zelândia, Austrália e Irlanda são os grandes protagonistas da vez. Será em um destes países que você vai encontrar as melhores vagas para trabalhar enquanto estuda em uma escola de idiomas.

IRLANDA

irlanda
Mesmo que seja redundante falar da qualidade de vida e de ensino na Irlanda, não é demais repetir. Foi na capital, Dublin, que se popularizou este programa, então, encontrar intercambistas na correria entre o curso e o emprego em alguma livraria, hotel, restaurante ou pub é completamente normal e corriqueiro. De cara, a Irlanda já te oferece a melhor facilidade: não é necessário tirar o visto antecipadamente para trabalhar e estudar por lá. Você só precisa fazer um curso equivalente a 6 meses e a permissão para trabalhar lhe será concedida e retirada no próprio país, te autorizando a estar em atividade de trabalho por até 20h semanais.

AUSTRÁLIA

australia
Morar na Austrália não requer tanto costume como parece. Em muitos aspectos, como você já deve ter ouvido por aí, o país se assemelha ao Brasil. Mas este não é o atrativo que faz com que tantos intercambistas brasileiros decidam estudar e trabalhar lá. Além das excelentes escolas e universidades em que você pode estudar, os estágios são bem remunerados e as opções de emprego bem versáteis – que tal trabalhar como babá, jardineiro ou vendedor? Todos muito bem avaliados, de até 40h quinzenais e horas ilimitadas nas férias. A permissão para o programa já se dá através da solicitação do visto de quem pretende ficar mais de 14 semanas no país.

NOVA ZELÂNDIA

nova-zelandia
Aquele país que não surpreende pelo tamanho, mas em compensação é gigante no seu alcance acadêmico e educacional. Conseguir o visto para estudar e trabalhar na Nova Zelândia não é tarefa tão fácil, no entanto, é muito válido a quem realmente deseja incrementar a renda no final do mês e assegurar uma ajuda aos custeios do programa. Para tanto, é necessário preencher um formulário para visto de estudante e outro para comprovação financeira, além do passaporte válido e alguns outros documentos. Apesar do alto custo de vida, é um lugar adequado para desenvolver habilidades profissionais pela alta qualidade dos cursos técnicos e profissionalizantes.

Deixar comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *